District 9 , realizado por Neil Blomkamp,produzido por Peter “Lord of the rings” Jackson, é um filme que vai além da pura ficçâo ,certo nâo é a orgia de efeitos especias de Avatar, nâo é  em 3D, mas é um filme pra ser visto quase como um “case study” , nâo é um cinema de autor (a la française)  , nem um triller Hitchkoquiano , nem uma realidade crua como Cidade de Deus, nem uma introspeçâo existencialista dum Jarmush…mas têm algo ,que nâo sei bem o quê, talvez um pouco de tudo isso,que nâo nos deixa indiferentes…Pensei neste filme  ,que “saiu” o ano passado ao ler sobre a morte de um cidadâo estrangeiro (guineense) numa “township”  na paradisiaca Boavista. O filme faz uma ponte entre a realidade dos conflitos raciais com os conflitos de especie (humanos/extraterrestres) , tudo isso passa-se numa verdadeira township  de Johansbourg ,Africa do Sul, uma alegoria ao apartheid ,mas desta vez  os “negros” sâo outros… é um filme que sem o mediatismo Holliwoodiano , um lowcost  de qualidade (se é que isso existe)…pra ver com o cerebro.Posso acrescentar que é um Mississipi em chamas de ficçâo  ciêntifica , por isso se puderem ve-lo nâo se assustem com a capa .

Na minha modesta opiniâo sempre que um crime é cometido por questôes raciais ou por xenofobia, é um bocado da humanidade que nos resta que nos é retirado, como se nâo bastassem os conflitos religiosos, politicos, economicos ,socias…acho que estamos cada vez mais longe de ter Paz nesse Planeta Azul (sô de nome convém dizer). Começo seriamente  a pensar em “tornar-me ” nilista, nâo por gosto , nem por culpa de Goeth ,Hegel, Nietzsche,Bougart ou Dostoievski ,mas por nâo ter mais escolhas  e de constatar que se calhar os “gajos” tinham razâo.